Rolim de Moura,
35°C

Rolim de Moura
Médico do HM de Rolim de Moura nega atendimento a idosa de 84 anos
“Alegando que seu trabalho era apenas atender urgência e emergência, o médico colocou a risco a vida da idosa”

Por Bené Barbosa
Publicado 11/09/2019
Atualizado 11/09/2019
A A
Foto: Reprodução

Uma senhora de 84 anos, acompanhada pela neta, procurou o Hospital Municipal Amélio João da Silva, em Rolim de Moura, em busca de atendimento médico, por volta as 11hs00 de domingo. Na triagem os atendentes constataram elevada pressão arterial, o que já seria motivo para atendimento diferenciado, visto que idosos, cardiopatas, grávidas, crianças em estado febril e outros casos são classificados como atendimento prioritário em toda a rede pública.
    Como o tempo passava e a senhora não era atendida, a neta procurou o médico plantonista, que teria respondido que sua função ali, no momento, seria apenas atender casos de urgência e emergência. A situação piorou quando a senhora teve crises de vômito e teve que ser amparada por pessoas que estavam no corredor, também esperando atendimento.  As 12hs18 o médico se retirou do hospital, anunciando que seria seu horário de almoço e que não poderia se atrasar. Ele também foi visto usando o celular, completamente alheio ao sofrimento da senhora.
    Sem alternativa e preocupado com a situação, um técnico de enfermagem acomodou a paciente e lhe aplicou soro, mesmo sem prescrição médica, mas na justa intenção de evitar o agravamento do quadro clinico da paciente. A conduta, mesmo não recomenda, seria a única providência a ser tomada, já que o médico já tinha ido embora. Preocupado, o profissional procurou ajuda de outro médico, que promoveu o atendimento adequado, medicou a idosa e a liberou, já com a pressão estabilizada.
    A neta da idosa procurou a Delegacia de Policia e registrou ocorrência por negligência medida e a direção do hospital  emitiu nota a respeito, garantindo que vai apurar responsabilidades do médico e tomar as providências punitivas, sendo o caso. Teoricamente, a falha pode ter sido originada no preenchimento da ficha, quando as atendentes devem obrigatoriamente, classificar o risco e priorizar o atendimento. Além da sindicância interna relativa a conduta do médico que “não podia se atrasar para o almoço” e deixou um senhora de 84 anos em risco, a direção do Amélio João anunciou que pretende se reunir com as equipes de atendimento para averiguar se existem falhas no preenchimento das fichas, onde obrigatoriamente precisa constar o nível de risco e prioridade de atendimento.
    O diretor do Amélio João, que não estava no local de trabalho, disse que tudo está sendo investigado e que todas as medidas serão adotadas para evitar episódios semelhantes no futuro.

Fonte: Rolim Notícias com informações do Rondonianews

Saúde   Médico   Hospital Municipal   Amélio João da Silva   Rolim de Moura   Atendimento  

Mais em Rolim de Moura

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.