Rolim de Moura,

Geral
MPF pede que nomeação de missionário evangélico na Funai seja suspensa
A nomeação para o órgão, que é considerado um dos mais sensíveis de toda a Funai, foi feita por meio da Portaria nº 151/20, publicada no dia 3 de fevereiro

Por Conjur
Publicado 12/02/2020
Atualizado 12/02/2020
A A
Foto: Reprodução Blasting

Nomear um missionário cujo objetivo é evangelizar povos indígenas representa evidente desvio de finalidade e conflito de interesses com relação à política indigenista adotada pelo Estado brasileiro e norteada pela Constituição Federal.

Foi com base nessa premissa que o Ministério Público Federal ajuizou uma ação civil pública contra a nomeação do missionário evangélico Ricardo Lopes Dias para o cargo de Coordenador-Geral de Índios Isolados e de Recente Contato (CGIIRC) da Fundação Nacional do Índio. O processo foi protocolado nesta terça-feira (11/2).

A nomeação para o órgão, que é considerado um dos mais sensíveis de toda a Funai, foi feita por meio da Portaria nº 151/20, publicada no dia 3 de fevereiro.

No documento, o MPF diz haver claro desvio de finalidade, considerando que o missionário não se adequa às diretrizes e objetivos da instituição que irá fazer parte, nem possui os requisitos técnicos para que possa assumir sua função.

“Considerando que o Brasil é o país onde se registra o maior número de povos indígenas isolados na América do Sul — e o Estado Brasileiro reconhece a existência de 114 registros, sendo 28 desses com presença confirmada —, os riscos de informações e dados sensíveis e confidenciais armazenados na coordenação serem acessados por missões de fé com propósitos declaradamente evangelizantes é patente”, afirma a ação.

Ainda de acordo com o MP, a nomeação representa clara ameaça à “política de não contato e de respeito à autodeterminação dos povos indígenas”, uma vez que o controle da CGIIRC passará a um missionário “com vínculo de formação e de mais de 15 anos de trabalho para uma organização com declarado propósito de evangelizar os povos ‘não alcançados’ e ‘não engajados’”.

A organização ao qual o MPF faz referência é a Missão Novas Tribos do Brasil (MNTB), com quem o missionário tem relação. A MNTB, de acordo com informe da própria instituição, acredita que “a humanidade vive a sétima era da história sagrada” e que “está destinada a ver a consumação dos tempos com a segunda vinda de Cristo, que só será realizada através da ‘conquista das últimas fronteiras desse mundo’”.

A fronteira é justamente alcançar os índios, aqueles que eles chamam de “Brown Gold”, ou “ouro moreno”.

Além de obter a nulidade da portaria que nomeou Ricardo Lopes, o MPF também pede que seja derrubada a alteração do regimento interno da Funai que permitiu que o cargo fosse ocupado por pessoa sem vínculo efetivo com o serviço público.

Foto: Redes Sociais

Fonte: Conjur

Povos Indígenas   Missionário Cujo   Constituição Federal   Indigenista Adotada   Estado Brasileiro   Fundação Nacional   Público Federal   Ricardo Lopes   Evidente Desvio  

Mais em Geral

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.