Rolim de Moura,

Agronegócio
Produtores de inhame em Rondônia encerram colheita e comemoram os bons resultados
Assistência técnica contribui para a satisfação dos produtores e aumento na produtividade das lavouras.

Publicado 27/06/2020
A A
Foto: Reprodução/Assessoria de Comunicação EMATER

O mês de junho tradicionalmente é o mês de encerramento da colheita do inhame em Rondônia, mas em 2020 foi especial porque o clima facilitou o desenvolvimento da cultura e os preços ajudaram a completar o cenário com um aumento do valor pago ao produtor de quase 40% em relação ao ano passado, O quilo do inhame São Tomé de primeira que no ano passado foi vendido oitenta centavos de real este ano alcançou o preços de até R$1,20. Para a Associação dos Agricultores Familiares e Produtores de Inhame de Alvorada do Oeste, (AAFEPIA), “apesar da pandemia a safra deste ano foi um sucesso para os inhameiros da BR 429”, diz Jose Branco presidente da AAFEPIA.

Os extensionistas da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RO), acompanham a produção de inhame na região do vale do Guaporé desde a década de noventa, quando a espécie começou a ser cultivada comercialmente no município de São Francisco do Guaporé, e de lá pra cá a cultura tem experimentado um excelente desenvolvimento tecnológico com a consequente resposta produtiva, hoje alcançando produtividades acima de 25 toneladas por hectare, diz o engenheiro agrônomo Flávio Gonçalves Gomes supervisor técnico da Emater-RO para a região do Vale do Guaporé, que inclui todos os municípios da BR 429.


Existem diversas espécies conhecidas como inhame ou cará com diferenças claras entre elas mas com uma coisa em comum todas são muito ricas em potássio e energia, razão pela qual o inhame é muito procurado por praticantes de exercícios físicos de alta intensidade, o potássio diminui o aparecimento de câimbras nos praticantes de esportes de alto rendimento e amadores. Em Rondônia duas espécies são predominantes nos cultivos comerciais, o Inhame São Tomé e o Cará da Costa, na verdade ambos são tipos de Cará.

Os inhames são espécies tuberosas, ou seja, que as partes produtivas comercialmente são o que a maioria das pessoas chamaria de raízes, e têm um ciclo cultural que varia de 180 a 210 dias. Em Rondônia em virtude da boa oferta de água das chuvas, dispensa irrigação, mas exige um bom preparo do solo com calagem e adubação, além de boa estrutura física do solos, bem drenados e descompactados que facilitem o desenvolvimento dos tubérculos ou raízes.
O mercado é garantido, todo ano chegam a Rondônia compradores de estados do nordeste, sudeste e centro oeste, compram tanto o cará da costa quanto o são tomé, mas segundo explicou um deles os mercados paulista e goiano querem os tubérculos pequenos enquanto que no nordeste a preferência é pelos tubérculos maiores, preferências atendidas pelos produtores com prazer por que desta forma fica reduzida a parcela tida como refugo.

O estado de Rondônia através da Secretária de Estado da Agricultura (Seagri) e da Emater-RO sempre estiveram presentes nas diferentes etapas do desenvolvimento da cultura, tanto fazendo a divulgação para expansão dos cultivos quanto na introdução de novas tecnologias de produção, na conversa com os produtores eles costumam destacar a mecanização das lavouras, facilitada com ações do fomento oferecido pela Seagri, que disponibilizou tratores e implementos para facilitar preparo do solo e colheita principalmente, diz o agricultor zé Branco.

Fonte: Assessoria de Comunicação EMATER

Agricultores Familiares   Preços Ajudaram   Inhame   Junho Tradicionalmente   Clima Facilitou   Valor Pago   Vendido Oitenta   Oitenta Centavos   Rondônia   Passado  

Mais em Agronegócio

Fique ligado!

Quer receber nossas notificações?