Rolim de Moura,
21°C

Campo Futuro 2020: CNA realiza levantamento de custo de produção de café em Cacoal
O produtor que pode guardar, que é a minoria, tem uma perspectiva de pegar um preço melhor.

Publicado 18/07/2020
A A

Cinco produtores de café participaram, na manhã desta quinta-feira (16), do painel do Campo Futura 2020 para o levantamento do custo de produção da cultura em Rondônia. Devido a pandemia, o número de participantes este ano foi reduzido e a equipe da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) realizaram o painel via videoconferência.

Todos os anos, a CNA realiza rodadas do Campo Futuro para levantar os custos produção das mais diversas culturas e, com os dados colhidos, desenvolver políticas públicas para auxiliar o setor com base nas particularidades levantadas entre os produtores.


De acordo com os dados levantados, as propriedades do  município de Cacoal destinadas à produção de café possuem, em média, 4 hectares com rendimento de 55 sacas por hectare. De acordo com os custos totais aferidos no painel, a atividade deixou o produtor no vermelho este ano. “Foi constatado, na comparação com o ano passado, um aumento nos custos de produção e o valor de venda ficou estabilizado. Esse foi o principal ponto do desequilíbrio”, conclui o técnico de campo da ATeG Café, Josiel Moretti.

Hoje a saca de café está sendo vendida a R$307,50, enquanto o custo total levantado pelo painel foi de R$505,73 por saca. “O produtor que pode guardar, que é a minoria, tem uma perspectiva de pegar um preço melhor. Porém, dificilmente vai chegar a um valor que cubra os custos, então o jeito é focar na redução dos custos de produção”, reforça o técnico.

Segundo a assessora técnica da CNA, Raquel Miranda, os dados são preliminares, pois durante o painel não há tempo para corrigir eventuais erros de cálculo. Por isso as informações lançadas são sempre reavaliadas posteriormente. “A Universidade Federal de Lavras tem o prazo de 15 dias para nos devolver os dados revisados”, diz a assessora.

Alternativas

As duas alternativas que restam ao produtor é, com apoio da Assistência Técnica e Gerencial, conseguir elevar a produtividade por hectare e reduzir os custos, por exemplo, na compra de insumos. Neste ponto, a Federação da Agricultura e Pecuária de Rondônia (FAPERON) e outras entidades parceiras estão encabeçando um projeto piloto para compra de insumos pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB). “O projeto está em fase de elaboração do edital. Logo, logo teremos os resultados dessa primeira experiência com o café na região de Cacoal e, dando tudo certo, vamos expandir para outras cadeias”, diz o presidente da FAPERON, Hélio Dias. (Entenda mais sobre o projeto da compra via leilão da CONAB)

A videoconferência foi conduzida pelo coordenador operacional do Centro de Inteligência de Mercado da Universidade Federal de Lavras (CIM/UFLA), Matheus Marques, e a assessora técnica da CNA, Raquel Miranda. Os produtores, o técnico Moretti, o supervisor do SENAR-RO, Kennio Freire, o presidente do sindicato dos Produtores Rurais de Cacoal, Alex Guaitolini, e o presidente da Câmara Setorial do Café, Ezequias Braz, se reuniram para o painel no auditório da CDL em Cacoal seguindo as exigências de precauções sugeridas pela CNA para a realização do painel, que está acontecendo neste mesmo padrão em todas as regiões do país. O presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Machadinho d’Oeste, Ivo Bulhões, também participou via vídeo.

Fonte: Senar-RO

Fique ligado!

Quer receber nossas notificações?