Rolim de Moura,
32°C

"Claro que tava gostando", diz padre sobre menina de 10 anos estuprada pelo tio
O padre escreveu no Facebook que a vítima que engravidou após ser abusada sexualmente pelo tio por 4 anos "gosta de dar".

Por iG
Publicado 21/08/2020
A A

Insultos publicados por um padre referentes à menina de 10 anos estuprada pelo tio no Espírito Santo geraram indignação entre moradores do município de Carlinda (MT).

Identificado pelas iniciais, R. P., ele escreveu no Facebook que a vítima, abusada sexualmente por quatro anos, "gosta de dar".

As postagens já foram deletadas e o padre excluiu seu perfil, mas capturas de tela foram registradas e continuam circulando pela web.

Os comentários dele foram feitos em meio a uma conversa sobre o caso da menina, que após ter engravidado, passou por um procedimento de aborto, respaldado pela legislação, permitindo a interrupção da gravidez a vítimas de estupro, em caso de risco de morte à mãe e se o feto for anencefálico. A criança nesta situação se enquadrou nos dois primeiros itens.

O padre, porém, demonstrou discordar que a criança fosse uma vítima de abuso sexual .

"Vá defender isso em outro lugar. Você acredita que a menina é inocente? Acredita em papai noel também? 6 anos, por 4 anos e não disse nada. Claro que tava gostando. Por favor kkkk, gosta de dar, então assuma as consequências", escreveu ele. "Duvido uma menina ser abusada com 6 anos por quatro anos e não falar. Aposto minha cara. Ela compactuou com tudo e agora a menina é inocente kkkk. Gosta de dar, então assuma as consequências".

Após a repercussão nas redes sociais, gerando indignação entre internautas, que criticaram a fala do padre , ele se manifestou novamente, desta vez com um pedido de desculpas. Em nota enviada ao "Mato Grosso Ao Vivo", nesta quinta-feira (20) o padre assumiu a autoria das postagens e reconheceu ter "proferido palavras desagradáveis".

Procurada, a Diocese de Sinop ainda não enviou uma resposta, assim como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Leia abaixo, na íntegra, o pedido de desculpas do padre:

"Caríssimos. Eu, Pe. R. J. P., pároco na Paróquia São Paulo Apóstolo, Carlinda, MT, venho por meio desta dizer-vos que assumo toda a responsabilidade de três postagens em meu Facebook sobre a defesa da vida, no caso do aborto ocorrido no último dia 17.

As postagens foram excluídas por mim mesmo quando percebi inúmeros comentários que atacaram a minha defesa. Assumo a responsabilidade de ter proferido palavras desagradáveis, e justifico que compartilho da defesa da vida, nunca condenar e tirar julgamentos.

Não foi minha intenção proferir palavras de baixo calão, as quais não comungam com minha fé e minha crença na pessoa humana.

Àqueles que se sentiram ofendidos, só resta meu pedido de perdão. Excluí meu facebook por não querer mais ofender e ser ofendido. Precisamos ser fraterno. Sempre peguei isso.

As vezes que não fui, que Deus me perdoe. Lutemos pela vida, ela é dom de Deus. “Eu vim para que todos tenham vida, e a tenham em abundância” Jo. 10,10

Pe. R. J. P/Pároco de Carlinda – 20 de agosto de 2020"

 

Fonte: iG