Rolim de Moura,

Corinthians e Palmeiras duelam pressionados por melhores atuações
Tiago Nunes e Luxemburgo vêm sendo cobrados pelo desempenho dos times

Publicado 10/09/2020
A A

Os protagonistas do dérbi paulistano desta quinta-feira (10), às 19h15 (de Brasília), entre Corinthians e Palmeiras, estão no banco de reservas. Tiago Nunes e Vanderlei Luxemburgo chegam para o clássico na Neo Química Arena, pela nona rodada da Série A do Campeonato Brasileiro, questionados pelo futebol que as equipes têm apresentado.

A pressão é maior em cima de Tiago Nunes, já que o Timão venceu apenas dois dos sete jogos que realizou - soma nove pontos - e está mais próximo da zona de rebaixamento do que do G-6, que dá vaga à Libertadores. Contratado após o trabalho vitorioso no Athletico-PR, com os títulos da Copa Sul-Americana de 2018 e da Copa do Brasil do ano passado, o técnico desembarcou em São Paulo para fazer do Alvinegro paulista um time menos reativo e mais propositivo e envolvente.

Até o momento, porém, o treinador não teve êxito e, para complicar, sofreu dois tropeços perigosos: a queda para o Guaraní, do Paraguai, ainda na fase preliminar da Libertadores, e a perda do título paulista justamente para o Palmeiras, há um mês. "A cobrança é normal. Em um clube da magnitude do Corinthians, você está sempre pressionado. Já ouvi que meu cargo estava em jogo em janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho, julho e agosto. Estamos em setembro e continuo ouvindo isso. Uma hora alguém vai acertar, faz parte do futebol", disse Tiago, em entrevista coletiva após o empate em casa, por 2 a 2, com o Botafogo, no último sábado (5).

No Brasileiro, além da campanha irregular, o time vive uma realidade atípica, se comparada aos últimos anos: uma fragilidade defensiva. Em sete partidas, já foram dez gols sofridos. A equipe iniciou a rodada como a terceira defesa mais vazada da competição. A instabilidade preocupa o técnico. "No retorno [após a paralisação do futebol] a gente passou muitos jogos sem sofrer gols, mas com uma formação mais defensiva. [Estamos tendo] Dificuldades para encontrar um equilíbrio, de uma equipe que ataca bastante e se defende bem", reconheceu.

Para o clássico, o treinador segue sem Luan à disposição, devido a um estiramento na coxa direita, então, Ángelo Araos será novamente o substituto na meia. A dúvida é quem estará com o chileno e Ramiro no auxílio ao centroavante Jô. Contra o Botafogo, o escolhido foi o atacante Gustavo Mosquito. Também são opções o atacante Léo Natel e o meia Romulo Otero, que pode fazer o primeiro jogo como titular. 

O Timão deve atuar com: Cássio, Fagner, Gil, Danilo Avelar e Lucas Piton; Camacho e Victor Cantillo; Ramiro, Araos e Otero (Gustavo Mosquito ou Léo Natel); Jô.

Do lado palmeirense, a pressão é menos por resultados e mais por atuações. Além do título paulista em cima do Corinthians, o Verdão de Luxemburgo é o único time invicto da Série A, com três vitórias e quatro empates, acumulando 13 pontos. O nível das apresentações, inclusive nas finais diante do Timão, porém, têm estado abaixo do esperado. O treinador admitiu, após o suado triunfo por 2 a 1 sobre o Red Bull Bragantino, no último domingo (6), que o grupo não tem feito bons jogos. Ele, porém, entende que os resultados na temporada deveriam ser mais valorizados.

"Com críticas, eu não tenho problema. Mas, há muito tempo, acho que há um exagero muito grande. São críticas exageradas para um time que só perdeu dois jogos no ano, foi campeão paulista, tem a defesa menos vazada. Ninguém quer enxergar o que é positivo. As críticas de que não estamos jogando bem procedem. Não tem problema nenhum. Mas é importante refletirem que há um exagero muito grande, que com poucas rodadas, nada presta. O Palmeiras não pode entrar nisso de que nada presta. A gente vem de conquista, mesmo não jogando bem. É melhor ganhar não jogando bem do que perder jogando bem", afirmou Luxemburgo, que completou 400 jogos no comando do Alviverde.

Uma das marcas do atual trabalho de Luxa no Verdão é a utilização de atletas formados na base, em um momento de menos contratações pelo clube. Além de ter os meias Patrick de Paula e Gabriel Menino como titulares, ele proporcionou as estreias do volante Danilo e do atacante Wesley na partida contra o Bragantino, além de promover a volta do atacante Gabriel Veron aos gramados após seis meses de recuperação de uma lesão muscular. O jovem de 18 anos não só fez o gol de empate como deu a assistência para o gol da virada, marcado pelo também atacante William.

Ele, inclusive, pode ser a novidade da equipe no clássico, no lugar de Wesley. O lateral Marcos Rocha e o zagueiro Felipe Melo, que se recuperam de lesões, seguem fora de combate. O provável Palmeiras terá Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gómez e Matías Viña; Patrick de Paula, Gabriel Menino, Zé Rafael e Lucas Lima; Gabriel Veron (Wesley) e Luiz Adriano.

Outras três partidas movimentam a Série A às 19h15. No Beira-Rio, Internacional e Ceará fazem um duelo entre equipes que vivem bom momento na competição, mas, que vêm de tropeços. Também em casa, o Colorado ficou no 2 a 2 com o Bahia, enquanto o Vozão perdeu do Santos por 1 a 0, na Arena Castelão. Já no estádio de Pituaçu, em Salvador, o Tricolor de Aço recebe o Grêmio, em jogo de times que encaram um longo jejum de vitórias. Os baianos não ganham desde a segunda rodada, enquanto os gaúchos não sabem o que é vencer desde a estreia. Já às 21h, tem Vasco e Atlético-GO em São Januário, encerrando a rodada.