Rolim de Moura,
22°C

Agronegócio
Produção de carnes soma 6,3 milhões de toneladas no primeiro trimestre
O volume repete o de igual período do ano passado, conforme dados do IBGE.

Por brasilagro
Publicado 16/06/2019
A A
Divulgação

A produção brasileira de carnes somou 6,31 milhões de toneladas no primeiro trimestre deste ano, quando considerado o peso das carcaças. Esse volume é rigorosamente igual ao do primeiro trimestre de 2018.

Poderia ter sido maior, uma vez que os abates de bovinos e de suínos aumentaram no período, mas o de frango caiu.

 Os dados são do IBGE e indicam que essa foi a produção de carne inspecionada por algum órgão oficial. A produção real, no entanto, é maior.

De janeiro a março deste ano, as indústrias de curtume adquiriram 8,5 milhões de couros para a industrialização. Nesse mesmo período, passaram por inspeção nos frigoríficos 7,9 milhões de animais. Pelo menos 600 mil foram abatidos sem a devida inspeção.

 A redução no abate de frango, o único a registrar queda, foi de 2,3% no trimestre.

 Essa queda é reflexo de uma situação de estresse na produção no ano passado.

Houve redução nos alojamentos de pintinhos nas granjas e queda no número de matrizes. Os custos de produção estavam elevados e o consumo interno fraco.

O cenário deste segundo trimestre, porém, está bem diferente do ocorrido no primeiro do ano. O mercado externo está aquecido, como mostraram as estatísticas mais recentes, e os abates aumentaram, afirma Francisco Turra, da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal).

 Para ele, a reabertura de algumas unidades frigoríficas já mostra uma outra dinâmica no setor.

 

O abate de suínos começou o ano em ritmo acelerado, incentivado pela demanda chinesa por esse tipo de proteína. Segundo o IBGE, 11,3 milhões de animais foram para os abatedouros, 5,5% mais do que no primeiro trimestre do ano passado.
 Além do aumento da demanda externa, o setor será beneficiado pela elevada produção de grãos, o que deverá garantir custos razoáveis para as indústrias de ração e para os produtores. "O horizonte está tranquilo", diz Turra.

 A captação de leite teve o melhor desempenhos no primeiro trimestre em 22 anos. Dados do IBGE indicaram que a aquisição de leite cru certificado por inspeção sanitária foi de 6,2 bilhões de litros, 3% mais do que igual período de 2018.

Este ano deverá ser um bom período para o setor de proteínas. A demanda externa por carnes é intensa, principalmente por parte da China devido à ocorrência da peste suína africana naquele país asiático.

China 

A peste suína africana provocou queda de 10% a 15% no consumo de carne suína na China neste ano, segundo estimativas do Rabobank.

A China volta a importar carne bovina brasileira, segundo o Ministério da Agricultura. Por um protocolo existente entre os dois países, as exportações brasileiras estavam suspensas após o caso atípico de vaca louca em Mato Grosso (Folha de S.Paulo, 14/6/19)

Fonte: brasilagro

Crescimento   PIB   Ipea   Agropecuária   Produção de carnes   IBGE  

Mais em Agronegócio

Notificações

Se você gostou do nosso conteúdo, podemos lhe enviar notificações push sobre postagens selecionadas.