Rolim de Moura,

Cobra é flagrada comendo gato no campus da Unir em Porto Velho
Cerca de 70 gatos e dois cachorros vivem atualmente no campus da Universidade Federal de Rondônia em Porto Velho.

Por G1 RO
Publicado 14/01/2021
A A

Uma jiboia foi vista comendo um gato perto do bloco de Educação Física da Universidade Federal de Rondônia (Unir) em Porto Velho, nesta quarta-feira (13).

Com as aulas presenciais suspensas desde março de 2020, por causa da pandemia da Covid-19, animais selvagens que vivem na região de mata perto da instituição, começaram a "visitar" o campus com mais frequência.

O flagrante desta quarta foi feito por Aline Andriolo, uma das voluntárias da ONG "Peludos da Unir". O grupo cuida dos animais abandonados na universidade. Eles trabalham com uma espécie de rota de alimentação, onde todos os dias colocam ração e água para os dois cachorros e 70 gatos que vivem no campus em Porto Velho.

"Hoje por volta de 12h20 eu já estava terminando a rota e escutei um barulho, vi um movimento em um arbusto e fui chegando perto. Então vi a cobra já toda enrolada comendo o gato", disse Aline.

Segundo os voluntários, várias cobras, macacos e outros animais silvestres estão saindo com mais frequência da mata, que fica ao redor da Unir, pois o fluxo de alunos e veículos diminuiu desde março do ano passado, quando as aulas presenciais foram suspensas.

Os voluntários destacam que a situação desta quarta-feira (13) faz parte da natureza e não é "culpa da cobra". Por isso pedem que, caso a população veja uma cena semelhante, procure o Corpo de Bombeiros, Polícia Militar Ambiental e não agrida ou chegue perto de cobras, para evitar acidentes.

Para o grupo, os principais desafios são: castrar os animais e conseguir lares adotivos para os gatos.

"Para castrar é muito caro, mesmo com algumas parcerias, e o nosso dinheiro vem basicamente da venda de rifas, bazar, doações e dos bolsos dos voluntários. No caso de adoções, para cachorros é super fácil, mas quase ninguém quer os gatinhos e quanto mais velhos eles ficam mais difícil é", comentou Aline.

 

 

Fonte: G1 RO

Fique ligado!

Quer receber nossas notificações?